As galáxias abraçavam o tempo

e o tempo perdia-se na eternidade.

A luz ecoava em todas os cantos,

a vida tornava-se una

O Amor é a tua verdadeira natureza, 
não há nada além do Amor.

O verdadeiro Amor, esse fluir através de ti, que tudo alcança, tocando todos sem distinção, transborda do teu coração. Quando verdadeiramente te toca, perdes esse sentido de amar e ser amado porque tu amas e és amado ao mesmo tempo e tudo se mistura na certeza de que tu és o próprio Amor.

Aprender a confiar na Vida é algo imprescindível. 
Aceitar cada momento como ele se apresenta é fundamental!

Esse “Eu” que pensas ser, não vive. É a Vida que te vive. É quando te abres completamente à Vida e permites que ela flua através de ti, que realmente estás a viver.

Enquanto quiseres controlar o que a Vida te traz, dando-lhe forma, encaminhando-a para o que tu pensas ser melhor para ti, tu não estás a viver.

Tu és consciência!
Tu és unidade!

A consciência é autoconsciente como totalidade, como unicidade. A sua natureza é estar consciente de todos os pensamentos, emoções e sensações. Podes chamar-lhe Deus, Grande Espírito, Divino ou qualquer outro nome com que sintas ou procures unidade, não importa! O que importa é que tu és uno com essa consciência total e essa união é tudo o que existe.

A realidade é silêncio!
E o silêncio é parte de ti!

Não há métodos nem técnicas para o silêncio, o silêncio é quem tu és! Para ocupar a mente tu precisas de um meio, um processo, mas não para o silêncio. Para isso apenas precisas parar tudo e ficar quieto e perceberás que o silêncio te permeia. Não é necessário qualquer esforço para isso, é necessário parar todo o esforço, renderes-te e simplesmente ser.

Este silêncio de que te falo, não é a ausência de palavra, é o silêncio que acontece em teu interior quando toda a busca cessa e podes perceber quem és.

O encontro com a eternidade é algo demasiado simples! 
Talvez por isso seja tão difícil alcançar.

As nossas mentes confusas e ansiosas por algo especial, procuram, na complexidade da vida, as respostas ao que o nosso ego quer, trazendo-lhe assim a certeza de que são especiais, diferentes dos outros e serão olhados com devoção, como seres que alcançaram algo diferente e único, especialmente algo difícil para a maioria das pessoas, perpetuando assim a sensação de separação. Na verdade, o ego apenas quer sentir-se único e especial, não importa de que forma.

Iluminar a matéria é algo difícil.
Trazer a luz para esta densidade é penoso.

É quando a resposta a quem tu és, já não te satisfaz, por saberes ser algo por descobrir, que entras em crise e é na crise que a verdade pode emergir. É quando o véu da ilusão cai que te vês como verdadeiramente és e ele cai para todas as tuas ilusões e tu ficas exposto, nu para a verdade.

Perderes-te no deserto é doloroso,
mas é a única forma de verdadeiramente te encontrares!

O deserto é esse lugar dentro de ti em que te despes de tudo o que acumulaste ao longo de vidas, onde te libertas de todas as ilusões, todas as crenças, todo o conhecimento que acumulaste. E quanto mais acrescentas mais terás que libertar, porque é vazio que vais chegar ao fim do deserto.

Será o despertar um momento?
Será um processo?

Há quem diga que o despertar é um momento e ficas em êxtase para o resto da vida. Não o vejo dessa forma, mas reconheço que possa ter sido assim para algumas pessoas. Essa é uma forma de ilusão da nova era, que te mantem distante do processo porque o vês como algo inalcançável e restrito a alguns “iluminados”.

 Talvez tenhamos de nos preparar para o despertar!
 Talvez, não!

A maioria de nós acredita que temos que nos preparar para o despertar, talvez isso nos tenha sido incutido por aqueles que foram o exemplo para nós ao longo desta vida ou talvez tivéssemos encontrado isso nas leituras daqueles a que chamamos “Mestres”, aqueles que, de alguma forma, fizeram o caminho antes de nós e nos deixaram o seu legado.

Quando as barreiras se diluem e te tornas um com todos,
a impessoalidade não tem como não emergir.

No processo de despertar, a impessoalidade é um aspeto importante. É como uma etapa deste mergulho na consciência. Repentinamente as pessoas à tua volta deixam de ser apenas as pessoas e passam a um nível em que todos são iguais para ti. Sentes cada ser como parte de ti, deixa de haver separação, tu e o outro são um e todos são iguais.

Subcategorias